Prémio Luso-Espanhol de Química

O Prémio Luso-Espanhol de Química, instituído pela Sociedade Portuguesa de Química e pela Real Sociedad Española de Química, é atribuído anualmente, e em alternância, a químicos portugueses e espanhóis com projecção internacional. Em 2010, ano de início do Prémio, este foi atribuído pela RSEQ ao Prof. José Cavaleiro da Universidade de Aveiro. Em 2011 foi a vez de a SPQ atribuir pela primeira vez o Prémio a um químico espanhol, Miguel Yus.

Agostinho Lourenço
(1822-1893)

António Madinaveitia
(1890-1974)

Ver Lista de premiados


Regulamento do Prémio Luso-Espanhol de Química

  • - A Sociedade Portuguesa de Química e a Real Sociedad Española de Química instituem um Prémio Luso-Espanhol de Química, que será designado por Conferência Lourenço-Madinaveitia quando atribuído pela SPQ, e Conferencia Madinaveitia-Lourenço quando atribuído pela RSEQ. Esta escolha destina-se a recordar dois químicos notáveis: Agostinho Vicente Lourenço (1822-1893) e Antonio San Quintín Madinaveitia y Tabuyo (1890-1974).
  • - O Prémio Luso-Espanhol de Química tem como principal objectivo reconhecer investigação científica com projecção internacional realizada em Portugal e Espanha no domínio da Química, em qualquer das suas áreas.
  • - O Prémio é atribuído anualmente e de forma alternada pelas duas sociedades.
  • - A escolha do premiado cabe à sociedade que atribui o prémio.
  • - O Prémio consiste num diploma, num montante simbólico (500 a 1000 euros) e numa série de conferências (num mínimo de 3) em Universidades e Centros de Investigação do país da sociedade que atribui o prémio.
  • - O Presidente da SPQ fixará e divulgará o calendário, nomeará os vogais do júri a que ele próprio presidirá, e coordenará todo o procedimento até à decisão final.
  • - O calendário deve incluir as datas de abertura do Prémio, nomeação do júri, e data limite para a recepção das candidaturas. A divulgação das datas de interesse público deve ser efectuada através dos canais activos de comunicação da SPQ.
  • - A composição do júri é a seguinte: 4 sócios da SPQ, escolhidos entre os químicos portugueses, e sobre os quais haja garantias de capacidade de julgamento e isenção; os dois últimos recipientes portugueses do Prémio; e o Presidente da SPQ, que preside ao júri.
  • - O júri deve considerar os seguintes aspectos:
    • a) Qualidade e quantidade do trabalho de investigação publicado, e seu impacto na comunidade científica;
      b) Contributo para as relações científicas luso-espanholas.
  • 10º - Cada candidatura deve ser proposta ao Presidente da SPQ por dois professores universitários ou investigadores, sócios da SPQ, até à data limite fixada no calendário. As propostas devem incluir uma justificação, o CV, e separatas dos trabalhos mais relevantes. As propostas podem também ser feitas em moldes idênticos por membros do júri. Toda a documentação deve ser obrigatoriamente submetida em suporte electrónico.
  • 11º - De cada reunião do júri será lavrada acta; a votação para a atribuição do prémio deve basear-se numa justificação que será lavrada em acta.
  • 12º - O júri é soberano e não haverá recurso das suas decisões.
  • 13º - O recipiente do prémio não é elegível para edições subsequentes.
  • 14º - Qualquer dúvida sobre a aplicação deste regulamento será esclarecida pelo Conselho Directivo da SPQ.
  • 15º - Alterações a este regulamento podem ser feitas pelo Conselho Directivo da SPQ, quer por iniciativa própria, quer por sugestões do júri do Prémio ou de membros da Sociedade.

PERIÓDICOS DE QUÍMICA

PRÓXIMOS CONGRESSOS

Projecto Sal Ciência


com o apoio

© :: Sociedade Portuguesa de Química 2013