Parecer do GAAIRES sobre programas de Química: Posição da SPQ

Em declarações à radio “Antena 1” (27-02-2007, Jornal das 6), o Secretário-Geral da SPQ comentou o Relatório do Grupo de Avaliação e Acompanhamento da Implementação da Reforma do Ensino Secundário (GAAIRES), recentemente divulgado pelo Ministério da Educação.

Sobre a proposta de aumento de carga horária para reforço da componente experimental da disciplina, Paulo Ribeiro Claro salientou a importância da experiência no ensino das ciências e a necessidade de criar condições para que essa componente esteja efectivamente presente no ensino secundário. “O facto de a componente prática não ser objecto de avaliação em exame” contribui para que os professores e alunos invistam mais na componente teórica.
Em relação à possível redução do conteúdo dos programas de Química, recordou que “os programas não foram testados previamente” – um erro do Ministério da Educação na altura – “pelo que se aceita que haja necessidade de alguns ajustes”. No entanto, “o problema da dimensão do programa pode não ser tão relevante como transparece das opiniões dos professores, já que é natural que no primeiro ano de funcionamento de um programa os professores tenham maior dificuldade na sua execução”.


Na reunião com o GAAIRES a 23 de Janeiro passado, a SPQ – representada pelo Secretário-Geral e pela Prof. Ana Rego – analisou os cenários possíveis para ultrapassar as dificuldades de implementação dos programas das disciplinas de Química, Física, Biologia e Geologia. Nos cenários apresentados pelo GAAIRES, que aparecem no relatório agora divulgado, mereceu particular concordância da SPQ a preocupação em garantir a qualidade do ensino experimental destas disciplinas.
Na ocasião, a SPQ recordou também que a componente experimental dos programas do ensino secundário pressupunha a existência de um funcionário de laboratório para apoio às actividades experimentais (que poderia ser partilhado pelas diferentes disciplinas), além de recomendar o investimento na formação de professores. A realidade mostra que na maior parte das escolas os professores não têm qualquer apoio para a execução de trabalhos laboratoriais e a formação dos professores foi insuficiente.

PRC

Publicado/editado: 27/02/2007
© :: Sociedade Portuguesa de Química 2013