Capa
Série II / Número 131 / Volume 37
Dezembro 2013
Descarregar revista

Nesta edição do QUÍMICA dá-se destaque à entrevista concedida pelo Professor Armando Pombeiro, distinguido com o Prémio Ferreira da Silva 2012, e ao artigo de opinião sobre os rankings das universidades ibero-americanas.


SPQ e Departamentos de Química e Engenharia Química reunidos no Porto; Reunião da Assembleia Geral da EuCheMS; Jubilação do Professor Sebastião Formosinho; Luís Belchior dos Santos distinguido com o prémio James Christensen Memorial Award; Medalhas na XVIII Olimpíada Ibero-Americana de Química; Prémio PYCA – Gradiva 2014; ChemRus – Química Online;


Este ano o prémio foi atribuído a Martin Karplus (Universidade de Estrasburgo, França, e Universidade de Harvard, EUA), Michael Levitt (Universidade de Stanford, EUA) e Arieh Warshel (Universidade da Carolina do Sul, EUA). O anúncio foi feito no passado dia 9 de Outubro de 2013 pelo Professor Staffan Normark, Secretário Permanente da Real Academia Sueca das Ciências, e visou premiar o “desenvolvimento de modelos multi-escala para sistemas químicos complexos”.


O Professor Armando Pombeiro foi galardoado com o Prémio Ferreira da Silva 2012. Este prémio, instituído pela Sociedade Portuguesa de Química em 1981, tem como objectivo o reconhecimento de químicos portugueses que, pela obra científica produzida em Portugal, tenham contribuído significativamente para o avanço da Química em qualquer das suas áreas. Em particular, o Prof. Armando Pombeiro possui um currículo notável nas áreas da Electroquímica e das Químicas de Coordenação, Inorgânica, Bioinorgânica e Organometálica, e da Catálise.


Os indicadores de quantidade e qualidade são indissociáveis de qualquer estabelecimento de rankings de instituições geradoras de conhecimento científico. Neste estudo é feita uma análise comparativa da produção científica de 51 instituições de Ensino Superior no universo ibero-americano tendo em conta dados provenientes do ranking SCImago, aferidos das bases Thomson ISI Web of Science (WoS) e Essential Science Indicators (ESI).


A Torre das Ciências existe mesmo; e está em permanente construção. Não, não é uma Torre de Babel – o céu há muito que foi atingido… Não é cónica, não é cilíndrica, nem tem uma qualquer forma regular. Não


O diálogo da cultura literária com as diversas ciências atravessa a História do Ocidente correlacionando-se com o tema do Progresso. Na época que se seguiu ao Iluminismo, essa relação torna-se fracturante, na medida em que o desenvolvimento da ciência experimental – nomeadamente a Química – rivaliza com o poder simbólico da cultura humanística.


Da análise efectuada à presença e ao papel da Química e da Farmácia na escrita realista de Eça de Queirós, resultou uma primeira parte deste artigo, que inclui as secções “Águas minerais e antiácidos” e “Metais pesados”.


A complexação entre biomoléculas é um tópico importante em vários campos, desde a Bioquímica, às indústrias farmacêutica, alimentar e de cosméticos. A capacidade de descrever e controlar os mecanismos responsáveis por esses processos, em termos de uma descrição molecular, é um desafio para muitas aplicações práticas.


Neste trabalho descreve-se a utilização do modelo da esfera rígida, em folha de cálculo, para determinação de geometrias moleculares de repulsão mínima, com o propósito de demonstrar a possibilidade de utilização de meios informáticos ubíquos, em conjunto com modelos teóricos simples, para a realização de modelações úteis em Química.


Quando se coloca o cubo com os sais dentro de água liberta‐se um gás ‐ o dióxido de carbono, que resulta da reacção entre o ácido cítrico que é uma substância ácida, e o bicarbonato de sódio que é uma substância básica (ver QUÍMICA nº 121, pág. 70‐71).


destaques


agenda, eventos